História da Biologia da Conservação

Vista aérea da Amazônia perto de Altamira, no Pará (Foto: REUTERS/Nacho Doce)

Os slides desta aula estão nesse link

As origens do pensamento conservacionista

O primeiro a se saber é que o pensamento cnservacionista não é puro e politicamente neutro, sendo apenas pró-natureza. Isso é um MITO e prcisa acabar. O pensamento conservacionista dominante é originado nas mesmas classes dominantes ocidentais que geraram e usufruiram do modelo de desenvolvimento capitalista que levou o mundo ao estado atual de colpaso iminente. Para entender brevemente como isso é possível, leiam o texo: American environmentalism’s racist roots have shaped global thinking about conservation.

As bases na Ecologia de Populações

A maior parte das pessoas engajadas na elaboração e fundação da Biologia da Conservação como disciplina eram ecólogos de populações. As atividades de extrativismo de madeira e caça tanto recreativa quanto comercial de animais silvestres eram atividades com importantes contribução para a economia de muitos países desenvolvidos, sobretudo para os EUA.

via Gfycat

Esse é um paradoxo importante. A conservação como disciplina já nasce utilitarista e não preservacionista. Uso e manejo de recursos naturais é um de seus fundamentos.

Aqui tem um textointeressante sobre as origens da Biologia da Conservação

Conservação nas culturas antigas

Manejar e ordenar o território é uma característica de qualquer cultura humana. De povos nômades à civilizações tecnológicas, o manejo de sua paisagem é parte das tarefas cotidianas quando percebemos, sobretudo, que sem ordenação e manejo, os recursos se exaurem. Culturas muito antigas já preticavam zoneamento territorial de forma a conservar caracteríscticas naturais como beleza cênica ou importância religiosa.

A importância de “descolonizar” Conservação

O pensamento conservacionista é o produto de seu tempo. Portanto, desde suas origens ocidentais modernas na Europa Neocolonial e nos EUA em plena expansão econômica, a conservação sempre teve a intenação de criar espaços de natureza protegida segundo uma visão de mundo das elites governantes. Qual o problema disso? Bom, a noção mais difundida sobre conservação entre as pessoas é que há uma daulidade human-natureza, sendo o primeiro geralmente inimigo do segundo. Assim, uma separação se justificaria eticamente. Mas, há razões menos filosóficas por trás de um modelo de conservação excludente. As áreas protegidas geralmente estão longe da elites, mas próximas de outras camadas da sociedade, especilamente povos rurais, tradicionais e indígenas. O modelo de conservação através da proibição de acesso aos recursos naturais na forma de uma proteção legal rígida, afeta desproporcionalmente essas pessoas.

O Brasil e outros países do Sul Global têm uma enrome contribuição para o pensamento e a prática conservaconsita desde uma perspectiva popular. Pessoas como Chico Mendes, Marina Silva ou Mercedes Bustamente ou Bráulio Dias tiveram e têm um papel importante na construção de políticas e modos de conservação desde a perspectivade “fora do eixo”.

Nesse link vocês vão encontrar uma maravilhosa lista de leitura sobre Conservação Decolonial